sábado, 16 de setembro de 2017

SONETO DO AMOR FATAL


por Cesar Costa

Sublime tanto amar e não morrer 
Se sem querer o amor nos faz sofrer 
Nos faz temer a razão do seu enfoque
Pobres seres deste triste retoque

Escravos os são todos os amantes
Que pensam serem do amor dominantes
Dominados foram antes desta hora
Feridos, sem ciência da ferida 

Tolos seres, com alma de poeta
Descansem na trajetória mortal
Sem noção do quanto o amor os afeta

Seria tão normal, se não fatal 
Mesmo sem noção do quanto ele grita
Um amor do bem que nos faz tão mal

sábado, 9 de setembro de 2017

ANARQUIA NO AMOR


por Cesar Costa

Caem por terra teus conceitos
Sejam objetivos ou subjetivos, não aceito
Independentes que ainda se dependem
De gestos, processos e ações que se ressentem

Nesta relação: nem formal, nem funcional
Os caminhos nos trouxeram ao destino mal
Feitas por ações frias que nos maltratam
Feitas por ações delegadas que nos afastam

Mas se antes um, agora formos mais 
Traremos a público as dores surreais
Corrompendo, um amor antes absoluto
Adotando, novas partes sem nenhum bom fruto

sábado, 2 de setembro de 2017

GUERRAS QUE DURAM ERAS


por Cesar Costa

Armas a postos, 
sem rostos, 
todos em guerras que duram eras. 

A política de armar para matar 
e deixar os dois lados morrer. 

Tensão e corrupção sem razão, 
real emoção, 
comprar para não morrer, 
vender para sobreviver

Lente tensa, 
tiros de todos os lados, 
lados fortes, 
lados ralos, 
poder em porta-retratos

Sem voz, 
os fracos calam, 
panelas calam, 
o silêncio tem voz

Justiça tendo lado e rosto, 
seu gosto é desgosto

Armas em guarda, 
sem mágoas, 
guerras pedem tréguas. 

A política une os lados opostos e deixa ambos viver,

sábado, 26 de agosto de 2017

PHOENIX


por Cesar Costa


Quanto medo há de sentir 
na ânsia de se esconder 
na escuridão e não se encontrar

Quanto tempo há de perder 
na esperança se descobrir 
no reflexo e não sonhar

Ainda que ouvisse a canção da liberdade, 
não ouvirias a liberdade;
Ainda que visse o desabrochar do vosso desejo, 
não comerias teu fruto;
Nem saberias da eterna troca 
onde cada dia de vida 
nada mais é que uma lição de verdade.


Quanto barulho há de ouvir 
no silêncio de se viver 
na solidão e não fugir

Quanta loucura há de existir 
na experiência de se olhar 
no espelho e não se ver

Ainda que ela falasse a língua dos anjos e dos homens,
 em nada iria valer, por não haver amor;
Ainda que tivesse as assas dos pássaros, 
em nada teria sentido, por não saber voar;
Nem saberias dos motivos do criador da vida 
onde o próprio sol 
muito mais é que uma tocha para esquentar e iluminar.


Em todo caso apenas diria:
- Eleve-se comigo e comecemos,
Cada manhã é o início de uma nova era...

sábado, 19 de agosto de 2017

MIL PEDAÇOS DE LEMBRANÇAS


por Cesar Costa

Tempo demais, 
depois do que houve, 
mas se feriu a você, 
feriu também a mim. 

Tudo que sei 
é que não estamos bem, 
mas não importa 
o que dizemos do amor: 
ELE DÓI!

Um sonho que se desfaz 
em mil pedaços de lembranças 
que não mais colam 
e não resultam em algo que pareça ter algum valor. 

Amor ferido não se recupera de novo 
se não for resultado de um novo amor: 
SINCERO E MADURO!

Tempo demais para tantas coisas 
que jamais vai parecer 
que o que já foi não volta mais, 
e o mesmo, por mais saudade que traga, 
já provou que não dá certo, 
o que não pode ser reinventado, 
não deveria ter sido inventado.

sábado, 12 de agosto de 2017

PEIXES NÃO MUDAM DE AQUÁRIO


por Cesar Costa

palavras frias nascem no meio da noite, 
vem das memorias, 
vem do que somos, 
vem de quem somos

mas peixes não mudam de aquário, 
sonhos não saciam desejos 
e amores não se satisfazem sem beijos

sou quem sou, 
mesmo com palavras frias, 
mesmo com palavras quentes, 
sou “EU” simplesmente

sábado, 5 de agosto de 2017

EU


Precisamos saber nos guiar
Seguirmos os caminhos da razão
Obtendo em um dia de fracasso, a vitória.

Eu censurei nas noites de frio
Teu calor intenso

Recriminei nos momentos de barulho
O teu silencio

Chorei nas notas da solidão
Tua presença.

Aprendo agora com meu erro

E digo, depois de tudo que passei:
- Estava errado.

Mas como em tudo
O hoje é a solução

Fico crendo num ideal maior
Crendo na força do amor
E, por fim...
Simplesmente crendo em ti!